Compilado: Teísmo Clássico

Compilado: Teísmo Clássico

por Edward Feser
Tradução: Carpinteiro do Universo
Fonte: http://edwardfeser.blogspot.com.br/2012/07/classical-theism-roundup.html

 

Teísmo clássico é a concepção de Deus que prevaleceu historicamente no judaísmo, cristianismo, islamismo, e no teísmo filosófico ocidental em geral. Suas raízes religiosas são bíblicas, e suas raízes filosóficas são encontradas nas tradições neoplatônica e aristotélica. Entre os filósofos ela é representada pelos nomes de Agostinho, Anselmo, Aquino, Maimônides, e Avicenna. Eu enfatizei muitas vezes que não se pode entender propriamente os argumentos para a existênccia de Deus desenvolvidos por teístas clássicos, ou sua concepção do relacionamento entre Deus e o mundo e entre religião e moralidade, sem um entendimento do quão radicalmente o teísmo clássico difere do “teísmo personalista” ou “neoteísmo” que prevalece entre alguns filósofos da religião contemporâneos. (Brian Davies classifica Richard Swinburne, Alvin Plantinga, e Charles Hartshorne como teístas personalistas. “Teísmo aberto” seria outra espécie do genus, e eu tenho argumentado que “argumentos de design” no estilo do Paley têm pelo menos uma tendência na direção teísta personalista.)

Como este tópico surge tão frequentemente, eu penso que seria útil coletar um compilado de posts que eu escrevi que lidam com o assunto. (Eu também defendo alguns dos temas principais do teísmo clássico em meus livros The Last Superstition e Aquinas, e meu artigo na American Catholic Philosophical Quarterly, “Existential Inertia and the Five Ways”. E para discussão do que eu tomo como sendo o mais significativo tipo de argumento em defesa do teísmo clássico, veja o meu [compilado sobre o argumento cosmológico] {EM BREVE!}.)

Para uma abordagem geral do teísmo clássico, seu conteúdo filosófico, sua relação com descrições bíblicas de Deus, e como ele difere do teísmo personalista, veja:


Classical theism

God, man, and classical theism


Para discussão da doutrina da simplicidade divina, que está no núcleo do teísmo clássico, veja:


William Lane Craig on divine simplicity

Davies on divine simplicity and freedom


Para discussäo das implicações do teísmo clássico para questões sobre moralidade e o problema do mal (incluindo uma comuta com Stephen Law), veja:


God, obligation, and the Euthyphro dilemma

Does morality depend on God?

Sartre on theism and morality

Law’s “evil-god challenge”

Crickets still chirping…

Broken Law


Para discussão sobre vários outros assuntos específicos que surgem em discussões do teísmo clássico, tais como questões sobre a natureza da causalidade divina, a relação de objetos obstratos para Deus, os atributos divinos, e assim por diante, veja:


God and possible worlds

Are you for real?

A first without a second

Dawkins on omnipotence and omniscience

The God above God


Relevante também para tais tópicos é o tratamento de questões metafísicas na base do teísmo clássico que eu apresentei em uma palestra na Franciscan University of Steubenville em dezembro de 2011, que você pode ver no Youtube:


Natural Theology Must Be Grounded in the Philosophy of Nature, Not in Natural Science


Para discussões das diferenças entre teísmo clássico de um lado, e a concepção de Deus comumente operativa em “argumentos de design” estilo Paley e a teoria do “Design Inteligente” do outro lado, veja:


The trouble with William Paley

The Greek atomists and the god of Paley

ID versus A-T roundup


Para discussão sobre as maneiras em que vários argumentos ateístas implicitamente pressupõem uma concepção não-clássica de Deus e são irrelevantes para o teísmo clássico, veja:


Why McGinn is a Pre-Theist

The “one god further” objection

A further thought on the “one god further” objection

Non-Story of the Year

The brutal facts about Keith Parsons

Classical theism, atheism, and the Godfather trilogy


Para discussão de alguns precursores do teísmo clássico na filosofia grega, veja:


Pre-Socratic natural theology

Final causality and Aristotle’s Unmoved Mover

Plotinus on divine simplicity, Part I

Plotinus on divine simplicity, Part II

Plotinus on divine simplicity, Part III


Finalmente, para discussão e defesa da interpretação trinitária distintivamente cristã, veja:


Trinity Sunday

Trinity and mystery

Trinity and mystery, Part II

Tuggy contra mysterianism


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: